ENTRE RIR OU CHORAR…

girl

Acordo do sono que não tive,olho para o relógio que marca pontualmente  6:00h da manhã. Levo alguns segundos até me dar conta de onde estou.Suspirei aliviada ao perceber que estava em meu quarto,olhei para minha penteadeira,meu guarda-roupa,meu criado mudo,parecia que tudo estava intacto,menos eu. Me levanto e vou até o banheiro lavar o rosto,chegando até a pia sou obrigada a olhar meu reflexo no espelho. O que vejo é um rosto pouco corado,olhos cansados e cabelos despenteados,ainda bem que o espelho não é capaz de refletir como estou por dentro.Os sentimentos encontram-se embaralhados em minha mente e sinto alguma coisa cujo nome não sei qual é. Logo percebo que está tudo errado e fora do lugar.Sigo em frente apenas por força de vontade,pois sei que se eu me render a esse momento vou ficar perdida,desolada,parada imóvel vendo o tempo passar.O que a gente faz quando parece que não há mais nada a se fazer? Cruzamos os braços? Vivemos tentando colocar reticências onde só cabe um ponto final,parece que adiar o fim das coisas é a saída mais fácil. Estou confusa,fico ali imóvel por alguns longos minutos me encarando sem saber o que fazer.Dizem por ai que quando nos sentimos assim,a melhor coisa a se fazer é ouvir nossos  corações,mas eu ainda não consegui entender o que o meu tem a dizer. Na verdade ele está tão machucado que talvez seja melhor nem mexer com ele.Terminei de lavar o rosto e segui em direção a meu quarto.Chegando até lá me deitei na cama,enterrei a cabeça no travesseiro e decidi que só sairia dali no dia seguinte. Eu sou o tipo de pessoa que quando o coração aperta,acha que a melhor opção é se isolar do mundo e viver como um nômade numa floresta distante. Quem dera se eu pudesse me desconectar do mundo toda vez que alguma coisa oprimisse meu coração,as coisas seriam tão mais fáceis… Mas como não são,eu tinha que aprender a lidar com tudo isso. Peguei um caderno de anotações que estava sobre meu criado mudo,nele eu escrevia citações dos meus livros preferidos,frases de grandes filósofos,letras de música,etc… Folheei algumas páginas e numa das milhares de linhas que meus olhos já haviam percorrido encontrei a seguinte frase: “Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”(Cora Coralina). Fiquei ali alguns longos minutos ponderando sobre aquilo que eu acabara de ler,nenhuma frase trouxera tanto sentindo a minha vida antes,como aquela agora trouxera.De repente um frio percorreu minha espinha e decidi que minhas decisões precisavam ser tomadas imediatamente,eu não podia mais esperar. Eu não ia deixar meu mundo desabar.Resolvi que se preciso fosse,eu quebraria a cara mais um milhão de vezes mas a culpa por ter me acovardado diante um momento difícil eu não carregaria. Abri o sorriso mais largo que eu podia,voltei ao espelho da pia do banheiro e dei adeus aquela pessoa insegura ,indecisa e amargurada. Entre rir ou chorar,eu escolhi rir.